Será que as mulheres finalmente entraram na mira de Hollywood?

Scarlett Johansson é uma das protagonistas de 'Vingadores: Era de Ultron'
"O filme Vingadores: Era de Ultron faturou US$ 191 milhões em seu primeiro fim de semana de exibição nos Estados Unidos, o que fez dele a segunda maior estreia da bilheteria americana – muito por causa das hordas de garotos adolescentes que fizeram fila nos cinemas de todo o país.

 Da BBC

Mas uma pequena revolução liderada pelas mulheres está acontecendo na demografia das bilheterias das produções de Hollywood.

O fenômeno foi particularmente notável no primeiro trimestre do ano, quando as mulheres formaram pelo menos 60% da audiência de três filmes nos Estados Unidos: Cinquenta Tons de Cinza, Cinderela e A Série Divergente: Insurgente.

Juntas, essas produções geraram mais de US$ 480 milhões até agora, apenas na América do Norte, enviando um sinal claro aos altos executivos do setor.

"Esses filmes mostraram que as mulheres são muito importantes para o faturamento dos estúdios", afirma Paul Dergarabedian, analista de mídia da consultoria Rentrak, especializada em medir audiências no mercado de entretenimento.

Filmes femininos para todos

'Jogos Vorazes', com Jennifer Lawrence, é exemplo de sucesso liderado por uma mulher

A força crescente das plateias femininas está sendo reconhecida em toda a indústria cinematográfica – assim como a capacidade das mulheres de fazerem filmes que agradem ao mercado feminino, mas não só.

"(A atriz) Reese Witherspoon é um exemplo de alguém que está realmente se dedicando a criar mais e mais papéis para ela e para outras mulheres", afirma o ator britânico Michael Sheen, que acredita que as mulheres estão avançando no setor.

Essa capacidade não é uma surpresa para a atriz britânica Carey Mulligan, que acredita que os estúdios demoraram para capitalizar o potencial feminino.

"Acho que Hollywood só está percebendo isso agora", afirma. "Cada vez mais nos últimos anos, ficou provado que filmes protagonizados por mulheres também podem ser um sucesso. Vejam o caso de Jennifer Lawrence e Jogos Vorazes. Ela é uma estrela e é quem está atraindo as multidões."

Já estão previstas para este verão do hemisfério Norte as estreias de mais filmes com apelo feminino, como as comédias Belas e Perseguidas, A Escolha Perfeita 2 e A Espiã que Sabia de Menos, além do thriller romântico Cidades de Papel.

Disputando os homens

Daisy Ridley é destaque no próximo 'Guerra nas Estrelas' e franquia promete mais mulheres
Mas por que a indústria cinematográfica americana demorou tanto para prestar atenção na plateia feminina? Terá sido sexismo?

"Acho que parte disso se deve à ideia de que a audiência formada por rapazes entre 18 e 24 anos domina as bilheterias, principalmente no verão", diz Dergarabedian.

O conceito, no entanto, está sendo aos poucos descartado. "Os números não mentem", afirma o analista. "Afinal, os estúdios são pragmáticos e realistas – e eles entenderam que, se quiserem atrair mais gente aos cinemas, terão que criar conteúdo que seduza um segmento muito poderoso da população, as mulheres."

No início deste ano, houve muita tensão nos bastidores de Hollywood quando se percebeu o fracasso de filmes direcionados a jovens do sexo mascullino, entre eles Chappie, O Destino de Júpiter e O Franco-Atirador.

'Cinquenta Tons de Cinza' já faturou US$ 570 milhões em todo o mundo
Um grande desafio é o fato de existirem várias outras atrações dentro de casa que estão competindo pela atenção dessa fatia do público, como videogames, filmes e programas de TV via streaming ou on demand.

A audiência adolescente masculina ainda vai aos cinemas assistir a franquias de sucesso, como Guerra nas Estrelas e Vingadores, mas é um grupo difícil de atingir com outro tipo de filme.

Carrey Mulligan acredita que esses jovens podem ter um gosto cinematográfico mais amplo do que os produtores imaginam – pelo menos pela experiência que teve com seu mais recente filme, Far From the Madding Crowd (ainda sem título em português). "Acho que você não precisa ser mulher para curtir um clássico da literatura. Muitos espectadores estão sendo subestimados", afirma.

A maior prova de que uma audiência mais diversificada pode ser atraída por um filme que seria considerado como entretenimento para mulheres é a animação Frozen – Uma Aventura Congelante, de 2013.

Ao estrear, o desenho fez sucesso apenas entre meninas e suas mães, mas no fim acabou atraindo uma plateia muito maior, arrecadando US$ 1,27 bilhão em todo o mundo e se tornando o quinto maior faturamento da história do cinema.

Girl power
Apesar do tema feminino, 'Frozen' se tornou a quinta maior bilheteria da história
Em 2014, as mulheres formaram 51% da plateia dos cinemas americanos. Mas não é só o tamanho da audiência que conta. "As mulheres são um público muito mais confiável", afirma Dergarabedian, que acredita que elas se atraem por um leque maior de estilos cinematográficos.

Com isso, franquias bem-sucedidas estão se adaptando para introduzir personagens femininas, como uma estratégia para atrair todos os espectadores, e não só os homens.

Vingadores: Era de Ultron trouxe uma nova protagonista, com Elizabeth Olsen no papel da Feiticeira Escarlate. A DC Comics planeja lançar um filme da Mulher Maravilha até 2017 e a Marvel Comics já está tirando da gaveta uma Captain Marvel feminina para 2018.

Mas, ainda que as perspectivas pareçam promissoras, muitos acreditam que as mudanças só acontecerão de fato quando os executivos de Hollywood derem o sinal verde para mais produções femininas.

Um nome que é praticamente uma exceção no setor é Kathleen Kenney, presidente da Lucasfilm, que supervisiona a franquia Guerra nas Estrelas. Em um recente encontro de fãs do filme, ela declarou que as próximas sequências vão ter "um monte de personagens femininas novas e maravilhosas".

Os primeiros sinais de mudança: Guerra nas Estrelas – O Despertar da Força está carregado de mulheres poderosas, encarnadas pelas atrizes Daisy Ridley, Gwendoline Christie e Lupita Nyong’o. E a britânica Felicity Jones foi contratada para ser a principal protagonista do primeiro spin-off da franquia, Rogue One.

Por tudo isso e pelo fato de grandes sucessos de bilheteria recentes terem sido protagonizados por mulheres, as expectativas são grandes.

Hoje, qualquer executivo de um estúdio que ignore a oportunidade comercial representada pelas mulheres no cinema estará agindo fora da normalidade.

O que está conduzindo esse avanço é o mundo dos negócios, mais do que qualquer caminhada no sentido de criar mais igualdade entre os gêneros.
No entanto, é um avanço e uma mudança enorme de paradigma em relação a alguns anos atrás, quando as mulheres não apareciam nos grandes cálculos de Hollywood."

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...