Por que a TV não está pronta para horror explícito de 'Hannibal'

O dinamarquês Mads Mikkelsen encarnou na TV um Dr. Lecter diabólico
"A última ceia foi servida. E, enquanto brindamos o fim da refeição com licor, paramos e pensamos na delícia que foi Hannibal, série de TV americana que acaba de ter seu episódio final exibido nos Estados Unidos.



Mas apesar de ter sido adaptada de uma franquia bem-sucedida na literatura e no cinema, e de ter durado três temporadas, o seriado nunca foi um sucesso de público.

Aqueles que assistiram, no entanto, frequentemente elogiavam Hannibal como um dos dramas mais inventivos e diferentes já realizados na TV.

Seu impacto entre críticos e aficionados da telinha fala muito sobre os tempos que o meio vive atualmente: você não precisa ser um sucesso para deixar a sua marca.

Franquia desvirtuada

Apesar de fazer sucesso entre a crítica, seriado teve dificuldades para decolar na NBC

Quando a série estreou, há dois anos, havia motivos de sobra para se duvidar da longevidade de Hannibal. Tanto os filmes quanto os livros protagonizados pelo Dr. Hannibal Lecter, o psiquiatra canibal, acabaram se desviando do original de Thomas Harris, Dragão Vermelho, de 1981.

Nesse livro e na sua sequência, O Silêncio dos Inocentes, Lecter era um personagem interessante, um preso assustador que dava informações úteis aos criminalistas Will Graham e Clarice Starling mas também conseguia perturbá-los de maneira fascinante.

Lecter fez o mesmo com os leitores, e o personagem se firmou além da literatura, tornando-se uma figura da cultura pop com os fantásticos filmes Caçador de Assassinos (1986) e O Silêncio dos Inocentes (1991). Por este último, o ator Anthony Hopkins levou um Oscar para casa, ao retratar um bicho-papão por excelência.

Depois disso, bem, ainda há um debate sobre a qualidade do livro Hannibal (1999) e sua versão para o cinema, dirigida por Ridley Scott e estrelada novamente por Hopkins. E quanto menos falarmos dos filmes Dragão Vermelho (2002) e Hannibal – A Origem do Mal (2007), melhor.

Paixão de fã

O filme 'O Silêncio dos Inocentes' ajudou a popularizar a figura do canibal Hannibal Lecter
Mas a entrada no projeto da série de TV de Bryan Fuller, autor da curiosa série Wonderfalls and Pushing Dasies, fez as mentes mudarem.

O primeiro e mais importante feito de Fuller foi abordar o universo de Lecter com a paixão idiossincrática de um fã.

Apesar de os livros e os filmes com Hannibal Lecter serem reverenciados por Fuller, nada neles é inviolável. Os telespectadores foram, então, presenteados com um Will Graham bem mais emotivo e transparente, e personagens com gênero ou cor trocados - o agente do FBI Jack Crawford (Laurence Fishburne) virou afro-americano; o colega de Graham Alan Bloom virou Alana (Caroline Dhavernas) -, o que compensou o fato de Fuller não ter conseguido comprar os direitos de usar a personagem Clarice Sterling, que foi de Jodie Foster no cinema.

Isso sem falar no próprio Hannibal, vivido pelo ator dinamarquês Mads Mikkelsen com um desmazelo diabólico que o diferenciou da famosa versão de Hopkins.

O psiquiatra da TV parecia vindo diretamente do inferno, com seu carisma e seu magnetismo arrasadores.

Ao longo da série, Graham se tornou a refeição simbólica mais importante para Lecter. A escolha de começar o seriado no início da estranha amizade entre os dois permitiu que uma intimidade crescesse entre eles.

Fuller, que é gay, pegou a representação periférica de personagens LGBT como 'estranhos' no original de Harris e colocou-a no coração da trama.

Mesmo que os dois homens tenham tido relacionamentos com mulheres ao longo da série, fica claro o que realmente desejam - pelo menos no episódio da primeira série em que Hannibal cheira Will por trás.

'Televisão de autor'

Diante de tantas nuances e de tanto talento, é de se perguntar por que tão poucos espectadores se interessaram por Hannibal. Os índices de audiência eram consistentemente baixos, mas o canal NBC manteve a série no ar por causa dos elogios recebidos e por causa do baixo custo de fazê-lo.

Mas podemos apenas especular sobre os motivos de a série ter sido cancelada.

Teria sido o perverso estilo do diretor de fotografia James Hawkinson, que exaltava com beleza as cenas mais terríveis? Ou será que foi a maneira envolvente de contar a história, fazendo-a evoluir de um foco mais objetivo para se tornar um estudo psicológico?

Os fãs dos primeiros episódios se dividiram quanto à ideia implantada na mais recente temporada de deslocar os personagens para a Europa. Muitos acreditaram que o tom que Fuller e sua equipe adotaram para a série era demasiadamente "filme de arte" e pretensioso. Ou será ainda que o público ainda não está pronto para a chamada "televisão de autor"?

Uma das constantes em muitos dos comentários publicados em sites de entretenimento é uma incredulidade com o fato de as visões bizarras e sangrentas apresentadas na série estarem sendo exibidas por um grande canal aberto e não por uma TV por assinatura.

Tampouco se tratava de horror por horror, mas sim uma expressão carnal das tormentas internas dos personagens. Havia uma densidade emocional por trás das cenas de horror que nem os fãs de Walking Dead, acostumados a imagens chocantes, conseguiram aguentar.

Qualquer que tenha sido o problema, os últimos episódios foram excepcionais, adaptando Dragão Vermelho com o sofisticado faro visual de Fuller e fazendo com que elementos familiares do universo de Lecter parecessem mais inspiradores.

Ainda não se sabe o que vai acontecer com a série, mas parece improvável que ela seja ressuscitada. Serviços de streaming como a Amazon e o Neflix recusaram a possibilidade de estender o seriado, e Fuller agora está se dedicando a adaptar Deuses Americanos, de Neil Gaiman, para a TV a cabo.

Há boatos de que Hannibal ganharia uma nova adaptação para o cinema, com os mesmos atores, mas isso dependeria da disponibilidade de todos."

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...