Por que vemos cada vez mais sexo nas séries americanas?

'Game of Thrones' explora aspectos do sexo de maneira nunca vista na TV americana
"Desde seu primeiro episódio, em 2011, a série Game of Thrones, da HBO, levou ao ar cenas de sexo de uma maneira jamais vista na TV americana: incesto, sexo oral, orgias, bordeis, seios, seios e mais seios.

Da BBC

No ano seguinte, outro novo seriado na mesma HBO, Girls, ganhou a mídia por um motivo parecido: a inclinação de suas jovens estrelas de tirar a roupa para protagonizar cenas de sexo de alta voltagem.

Ao raiar de 2013, depois de tanta nudez e tantos encontros picantes, uma série inteira sobre sexo já parecia algo quase corriqueiro. Mesmo assim, Masters of Sex – drama sobre o trabalho inusitado dos sexólogos William Masters e Virginia Johnson nos anos 50 – estreou no canal Showtime e, agora, está em sua terceira temporada, sendo exibida no Brasil pela HBO.

Na época em que Masters of Sex se passa, o sexo era um tema tão tabu que até casais unidos pelo santo matrimônio em seriados como I Love Lucy tinham que ser mostrados dormindo em camas separadas.

Mas nos anos 70, marido e mulher já podiam dividir a mesma cama, e falar sobre sexo não era algo tão proibitivo. Tanto que Maude, da série de mesmo nome, acaba fazendo um aborto, enquanto Mary do The Mary Tyler Moore Show dá a entender que toma anticoncepcionais.

Hoje, as cenas explícitas na telinha viraram lugar comum: simplesmente assumimos que elas acontecem em qualquer seriado de drama para adultos, como The Americans, The Affair, House of Cards, Scandal, How to Get Away with Murder, Orphan Black, Transparent e Outlander. A "era dourada dos dramas na TV" também marca o início de uma era dourada do sexo na TV.

Cinema mais contido

O canal HBO foi um dos pioneiros na exibição de conteúdo mais explícito na TV, como em 'Girls'
Certamente, as mídias sociais incentivaram as emissoras a ousar, compensando qualquer cena mais chocante com hashtags que logo disparam entre as mais comentadas. Mas, misteriosamente, o cinema enveredou na direção oposta, tornando-se cada vez menos explícito enquanto tenta alcançar uma audiência mais ampla e variada. Mirando em um público familiar e sem o potencial que a TV tem de gerar uma repercussão em uníssono, a indústria de filmes adotou uma linha diferente.

Enquanto Hollywood ficou mais contida, a televisão se tornou a principal fonte para quem quer se deliciar com cenas intensas. O principal motivo para essa mudança é que os dois meios praticamente reverteram seus papeis dentro da cultura americana.

Até pouco tempo atrás, o cinema era mais "descolado": mais visionário, o lugar perfeito para se testar limites. A TV era algo de segunda divisão, um espaço para a diversão das massas, não para a arte nem para o entretenimento "amadurecido". Era algo para o consumo de todos.

Mas no início dos anos 2000, a HBO ganhou destaque com seriados com aspirações mais artísticas. David Chase criou Família Soprano, inspirado nos corajosos filmes de Francis Ford Coppola e Martin Scorcese dos anos 70. (A boate de striptease Bada Bing! certamente aumentou o quociente de nudez nas telinhas, assim como as caminhadas errantes de Tony Soprano, cheias de sexo).

A partir daí, a TV se tornou algo sério, com anti-heróis, uma bela fotografia, roteiros bem lapidados, atuações impecáveis – e muito conteúdo para maiores de 18. Foi o caso de Mad Men, Breaking Bad, Lost, Dexter, The Good Wife, Homeland e House of Cards, entre tantas outras.

A TV a cabo e os serviços de streaming online também tiveram um papel importante: com menos restrições por parte da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos, os programas puderam usar maneiras mais provocativas de atrair a atenção dos espectadores. Basicamente, nos anos 2000, a televisão se tornou o que o cinema foi nas décadas de 60 e 70.

Exceções nas bilheterias

Masters of Sex', do canal pago Showtime, escapa das restrições à TV aberta nos EUA

Enquanto isso, a indústria cinematográfica mudou radicalmente. À medida que os estúdios passaram a buscar grandes faturamentos, eles retomaram quase que exclusivamente a realização de filmes de franquia, com marcas imediatamente reconhecidas pelo público.

Os investimentos cada vez maiores em superastros e efeitos especiais de ponta fizeram com que as produções fossem destinadas a uma audiência mais ampla, tanto dentro quanto fora dos Estados Unidos. O resultado: um monte de explosões e imagens geradas por computador, mas pouquíssimo sexo.

Ao mirar em uma audiência global, Hollywood se conscientizou sobre as sensibilidades de outros países e dos tabus envolvendo conteúdo explícito. Os poucos sucessos que vencem essas barreiras, como Cinquenta Tons de Cinza e a franquia Magic Mike, mostram uma boa quantidade de corpos nus e pouca sutileza. Mesmo assim, as bilheterias demonstram que as produções destinadas a agradar toda a família são as que faturam mais.

Sexualidade em novos ângulos

'Orange is The New Black' tornou o sexo entre mulheres na TV algo corriqueiro
A nova safra de seriados pode ser a prova do velho conceito de que sexo vende. Mas eles o fazem de uma maneira inovadora, artística e provocadora, desafiando as normas sociais.

A explosiva inovação trazida pela roteirista e produtora Shonda Rhimes para Grey’s Anatomy em 2005 deu início a essa ebulição da TV americana, com seu enorme elenco de médicos e médicas bonitões transando em salinhas entre uma cirurgia e outra.

A série não explorou apenas o sexo – ela tornou o sexo na TV mais feminista, com suas cenas de mulheres recebendo sexo oral, casais de lésbicas e a palavra "vagina" sendo sugerida o tempo todo. Rhimes manteve sua marca registrada em outras de suas criações, como Private Practice, Scandal e How to Get Away With Murder.

Seus programas também foram pioneiros em mostrar cenas de sexo entre homossexuais fora dos domínios da TV pay-per-view.

Ao mesmo tempo, Orange Is the New Black, do Netflix, resgatou cenas de sexo entre mulheres que até então só se via em filmes pornográficos. Afinal, não há nada mais clichê nesse gênero do que duas garotas bonitas transando na cadeia.

Mas o seriado humanizou essas relações, tornando-as tão peculiares quanto as personagens que protagonizam a série. Algumas cenas de sexo são dóceis, outras aventureiras, outras românticas e outras até embaraçosas. Muitas das atrizes não têm aquele corpo idealizado tradicional. E o que se vê, no fim, é que o sexo entre mulheres na prisão vira algo corriqueiro. Nós torcemos por alguns dos casais e odiamos outros, da mesma maneira que fazemos pelos pares heterossexuais das novelas.

A série Grace and Frankie, também do Netflix, faz o mesmo pela sexualidade dos idosos. A história começa quando os maridos das duas personagens do título as abandonam para ficarem juntos – uma admissão óbvia de que o sexo ainda é importante para quem tem 70 e poucos anos.

As esposas abandonadas não perdem tempo em encontrar novos potenciais parceiros, principalmente Grace, vivida por Jane Fonda, que dá a seu amante uma lição clara de uma boa preliminar."

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...