A 1.a série latino-americana da Netflix é esplêndida

Não perca
Paulo Nogueira, DCM

Sabe aquela série que ao chegar ao fim você fica triste como se estivesse se despedindo de um amigo numa estação de trem?

ADVERTISEMENT
Club de Cuervos, a primeira produção latino-americana da Netflix, é assim.
A história gira em torno de um time de futebol mexicano, os Corvos do título.
A magia e o horror, a tragédia e a comédia, a paixão e a repulsa – os autores captaram magistralmente tudo que cerca o mundo do futebol.

Mas é uma série que vai fascinar mesmo uma pessoa que não se interesse por futebol, tamanha a riqueza dos personagens e do drama em torno deles.
(Minha filha Camila, que não liga para futebol, não sossegou enquanto não chegou ao fim.)

O ponto de partida é a morte súbita do dono do time, um magnata de uma pequena cidade que decidiu investir em futebol.

Ele queria que o clube fosse o orgulho da cidade, Nueva Toledo. E conseguiu.
O Cuervos, do nada, vai subindo degraus e quando o fundador morre estava à beira de se tornar um dos grandes do México.

A disputa pela sucessão entre os dois filhos, um homem e uma mulher, é a chave da história.

Ela, mais velha, é mais centrada e mais preparada, mas tem contra si o fato de ser mulher no mundo masculino e machista do futebol.

Ele, o caçula, é um sonhador, idealista, ambicioso, só que completamente atrapalhado.

Chava, seu nome, quer fazer dos Cuervos o Real Madrid das Américas, mas tudo que ele consegue é levar o time para a beira do abismo.

Chava é o típico herdeiro, e não apenas do futebol: quer deixar sua própria marca, e fugir da sombra paterna. Neste sentido, os Cuervos é universal.
Me lembrei, por exemplo, de Roberto Civita perante as realizações de seu pai Victor na Abril.

Chava desestabiliza o dia a dia do clube ao fazer coisas que um cartola, em tese, não deveria fazer. Ele quer escalar o time, decidir os reforços etc.

Isso traria atrito em qualquer circunstância, e ainda mais quando o abelhudo é um garoto inexperiente no meio de pessoas com larga e bem sucedida trajetória.

A série se beneficia de imagens espetaculares de futebol, tanto dentro do campo como, principalmente, nas arquibancadas. Vi ali, nos torcedores, a paixão dos corintianos: seus berros, suas danças, sua devoção irracional.

Los Cuervos é uma comédia. Você ri muito. Mas tem também elementos de um drama. Você frequentemente se comove com as situações, principalmente com as desventuras de Chava.

A melhor definição para ele vem da estrela europeia que ele contratou: “Você é grande demais para esta cidade.”

O México está fazendo Los Cuervos enquanto nós fazemos Babilônia. É uma dura constatação.

Você chega ao final da série e pensa: “Quero mais.”

Que venha a segunda temporada."

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...